Liderança

12 perguntas a fazer a si mesmo antes de postar algo na internet

Artigo
05.03.2017

Pastor, antes de postar algo no blog, status do Facebook ou no Twitter, quais seriam alguns parâmetros que poderia considerar primeiro? Em tal caso, eu quero oferecer 12 breves perguntas para que você faça a si mesmo. Você pode pensar nelas como luzes indicativas, do tipo que um piloto verifica antes de decolar.

1) Edificará? Ou informará significativamente uma conversa útil? (Marcos 12.29-31; 1Coríntios 14.26)

Tente pensar no que edificará os outros. Tudo o que fazemos deve obedecer ao mandamento de amar a Deus e aos outros. Como isso aumentará o conhecimento, a fé ou o amor deles? Você está apresentando com precisão qualquer posição que discorda? Quão seguro estou de minhas informações? Esperamos que as trivialidades preencham menos de nossas vidas do que o fazem na internet. John Piper disse que, “Uma das grandes utilidades do Twitter e Facebook será provar no último dia que nossa falta de oração não foi por falta de tempo!”. Ele tem razão.

2) Será facilmente mal compreendido? (João 13.7, 16.12)

A privacidade de uma conversa pessoal limita a má compreensão. Nos lugares públicos, algumas coisas soarão de uma forma para aqueles que nos conhecem e de outra para aqueles que não nos conhecem. Avaliações negativas são muitas vezes melhor compartilhadas em privado ou não compartilhadas de modo algum. Quantos de nós aprendemos em nossos locais de trabalho que e-mail é uma maneira terrível de compartilhar qualquer tipo de comentários negativos? E, pensando especialmente em postagens públicas, pergunte a si mesmo: há razões pelas quais eu não posso ser uma boa pessoa para falar sobre determinados assuntos?

3) Alcançará o público certo? (Marcos 4.9 e outros)

Se você estiver corrigindo alguém, a audiência para essa correção deve ser mais ampla ou mais limitada? Essa audiência é corrigível? Quando usar uma rede social, considere quem está ouvindo o que você está dizendo. E se todos nesse lugar viessem a escutar por acaso as suas conversas após o serviço hoje? Ainda assim, fazemos isso todo o tempo na internet.

4) Ajudará em meu evangelismo? (Colossenses 1.28-29)

O que você está prestes a comunicar ajuda ou dificulta aqueles que você está evangelizando? É provável que isso diminua a importância (para eles) do seu compromisso com o evangelho ou a engrandece?

5) Provocará controvérsia desnecessária e inútil? (Tito 3.9)

Pense cuidadosamente sobre controvérsia. A linha que separa o compartilhamento vigoroso de ideias e uma espécie de guerra social, às vezes, é mais fina do que podemos imaginar. Em que essa controvérsia particular que eu gostaria de estar contribuiria para o bem? Quando ela é inútil? Quanto tempo durará? Trata-se de uma questão fundamental inevitável ou de uma questão sobre a qual o desacordo é um tanto quanto sem importância? Será que esta controvérsia levará a qualquer outra divisão que ameace a unidade da nossa igreja local?

6) Envergonhará ou ofenderá? (1Coríntios 12.21-26)

Alguém será envergonhado ou ofendido pelo que você está dizendo? Eu entendo que o mero fato de que algo é ofensivo não significa que dizê-lo é errado, mas simplesmente que nós devemos ter certeza de que a ofensa é digna disso.

7) Comunicará cuidado? (1Coríntios 12.21-26)

Será que os principais interessados apreciarão os seus motivos? Privacidade na comunicação transmite cuidado e honra a pessoa que recebe a informação. Você gosta que a prescrição do medicamento por seu médico seja algo privado; mas você não se importa que a venda na loja seja anunciada. Se alguém preferir ser abordado pessoalmente, por que não fazê-lo?

8) Fará com que pessoas estimem melhor alguém? (1Coríntios 12.21-26)

Ressalte a graça de Deus na vida, ministério e argumentos, etc., de outros. Destacar algo que edificará a estima de outros por alguém glorifica a Deus e encoraja os outros a verem a sua obra neles.

9) É jactância? (Provérbios 27.2)

O que você comunica na internet chama a atenção para si mesmo mais do que para o seu assunto? Como isso pode ser espiritualmente prejudicial para você ou para outros? Isso deixará as pessoas com uma compreensão mais exata de você? Está simplesmente sendo tentado a chamar a atenção para si mesmo ou para o que você sabe? Quando foi a última vez que incitou outros por compartilhar algo embaraçoso ou mesmo pecaminoso acerca de si mesmo?

10) O tom é apropriado? (2João 1,12; Colossenses 4.6, Efésios 4.29, 2Timóteo 2.24-25)

As pessoas entenderão e serão encorajadas pela verdade que você compartilha? Quão importante é que o tom de sua mensagem seja corretamente compreendido? Isso é claramente bondoso, paciente e gentil? O tom exato de sua voz e a feição em seu rosto indicam muito do que você quer dizer. Em uma conversa pessoal, você pode entender mais rapidamente que algo precisa ser explicado e o esclarece. A internet não santifica a ira ou frustração.

11) É errado não dizer nada? (Romanos 1.14)

Você tem uma oportunidade ou mesmo uma responsabilidade de comunicar algo? Alguns de vocês fazem isso devido ao seu trabalho. Você estabeleceu um “relacionamento” com leitores, amigos e seguidores na internet, de modo que eles esperam que comente sobre um determinado assunto ou situação? Nossa liberdade de expressão é uma mordomia maravilhosa! Queremos usá-la de forma boa e responsável. Eu suponho que existem até mesmo alguns trabalhos que não valem os sacrifícios que eles demandam, não existem?

12) O que os outros aconselham? (Provérbios 11.14; 15.22; 24.6)

Quando você está prestes a comunicar algo que sabe que os outros acharão provocativo, você tem bons alertas sonoros para tentar ajudá-lo a ponderar sobre a resposta? Você dedica tempo para considerar antes de publicar? A velocidade de resposta é tanto uma possibilidade da internet quanto uma tentação para falar muito rápido (o que contraria Tiago 1.19; Provérbios 10.19, 14.29, 16.32, 17.27). Lembre-se, você prestará contas por cada palavra que você digita (Mateus 12.36). Será que dizer coisas a uma “distância segura” das pessoas nos tenta a falar o que não diríamos diante de sua face?

Talvez você possa escrever estas perguntas e pedir a um amigo que observe suas redes sociais com essas preocupações em mente. Ou ainda, pergunte a alguém que discorda de você em algum assunto que postou ou escreveu e veja o que ele dirá. Dessa forma, muitos de nós podemos ser capazes de melhorar o nosso cuidado. Você pode imaginar quanto cuidado os apóstolos tiveram ao escrever as suas cartas?